terça-feira, março 27, 2012

Movimento perpetuo associativo


[Coluna escrita logo em seguida ao histórico triunfo do Mineiro em Supertubos - em cima do Careca. Perdoem a atualidade do texto]

O jogo
Hoje cedinho vi Adriano de Souza mancando aqui na frente do hotel.
Um amigo apontou e disse, isso parece ser serio... Balancei a cabeça, fechei os olhos e lembrei do que tinha acontecido no dia anterior.
Mineiro tinha ganho o mais espetacular evento dos ultimos nem sei quantos anos.
Um campeonato tão pleno de emoções que pode ser comparado sem medo com Mexico 2006, Pipe 1995, J. Bay 2005, Kirra 1996, Tahiti 2005...
Se nós, brasileiros e europeus, não falarmos disso, ninguem vai falar.
Um evento sublime em todos sentidos, em especial pro homem que vi mancando hoje.
Mineiro fez exatamente como Slater faz a tantos anos. Foi passando baterias sem chamar muita atenção, tinha uma lesão no joelho, que me fez lembrar Bells 2010.
A diferença é que Slater fazia um tremendo dramalhão cada vez que ia surfar naquela ocasião, usando até seu caddie Belly como apoio quando ia pra bateria e o Mineiro... Deu uma de Mineiro.
A turma do andar de cima, americanos e australianos que regem o circo do surfe profissional como uma orquestra de surdos manetas nem percebeu, ou interessou, na lesão do brasileiro.
Em duas semanas o mundo testemunhou um dominio vindo do Brasil como nunca houve antes.
Sim, me recordo de 1994, duas vitorias brasileiras na França seguidas, Teco e Tatuí, ambos ganhando do Slater (como em 2011), Tatuí na terceira fase e Teco, quem esquece ? Numa final eletrizante vencida pelo catarinense.
O tempo em 1994 era outro e o que Medina e Mineiro fizeram na Europa reafirma o que foi feito em 1994, desta vez com o apoio do resto do mundo. Medina renovou contrato com a Rip Curl internacional por mais 5 anos e Mineiro tem o suporte da Oakley mundial desde que saiu da Hang Loose.
O dinheiro agora é outro, grana firme. Temos milhares de pessoas acompanhando o circuito ao vivo, enquanto nos anos 90 quem assistia ao vivo tinha que sujar os pes de areia ou esperar dois meses pelas revistas com fotos e cobertura especializada.






Movimento perpetuo associativo
O subtitulo curioso é duma canção da Deolinda, minha banda portuguesa predileta dessa semana. A letra convoca a todos para reagir contra algo que ninguem sabe o que é e sempre ao final de cada estrofe a cantora dá uma desculpa e vai fazer outra atividade que não merece compromisso.
Mais ou menos como acontece na grande rede.
Existe sempre uma iminente revolução, prestes a estourar. 
E quando estamos cheios de vontade e decididos a levantar a voz...tem jogo na TV, campeonato de surfe, musica no radio, video no youtube, ou chat pulando no facebook.
O unico surfista do circuito que percebeu isso foi Adriano.
Pode haver até outro surfista tão atento com os meios sociais como Twitter e Facebook, mas nenhum deles o utiliza tão bem.
Não há no mundo outro surfista deste nivel tão solicito com seus fãs. Mineiro faz promoções, se oferece quase mensalmente para seus admiradores no twitcam e passa horas conversando sobre o que eles quiserem.
Mineiro usa seu proprio dinheiro para alimentar o apetite dos fãs, isso não é uma estrategia do seu patrocinador.
É sabido que hoje em dia as marcas incentivam e até mesmo exigem que seus atletas mantenham certa interatividade com os torcedores, mas Mineiro ta sozinho nesse mercado, por enquanto.
Adriano tem mais de 10.000 seguidores no twitter e outros 10.000 no Facebook, sozinho já fala com mais gente todos os dias do que qualquer outro companheiro.
Alias, Adriano é o lider dessa nova geração que chega por todo lado.
Sua obsessão pelo titulo mundial é de admirar.
Certa vez, mais de cinco anos atras, numa viagem para G. Land, o jovem que ainda nem tinha 20 anos virou-se para o editor da revista Surf Portugal, João Valente e disse, olha, sei que quase ninguem acredita no que vou dizer...até voce vai dizer que acredita, mas é da boca pra fora. Eu VOU ser campeão mundial.
Na entrevista do Surf Adventures 2 ele repete a frase com a certeza dos grandes.
Aquela derrota para Slater em 2008 representou uma virada de pagina no comportamento do Adriano.
A partir dali, Slater nunca mais teve vida facil, na bateria seguinte, Mineiro fez a mala do Careca.
Encontraram-se duas vezes no The Search de Porto Rico, ali a festa era do decimo titulo...
Num estalar de dedos, o jogo mudou.
Em 2011, Slater ganhou de todos, menos do Mineiro.
E Mineiro, por outro lado, ganhou de todos, inclusive do Careca...

2 comentários:

Anônimo disse...

Excelente meu Caro Adler...
Outra fato a ser notado, é a chegada da nova geração Brazuca "sem medo do Kelly". O Medina, por exemplo, já entrou na gana de vencê-lo em qualquer oportunidade. O jovem sabe que tem repertório para bater o Rei, e vai bater ainda mais forte no futuro.
O Mineiro leva para dentro dágua uma atitude que já era postulada pelo RM ( O Mago Ricardo Martins) no início dos anos 90's que reza:
GRINGO É O CARALHO!!!
Tudo haver aliás, pois para quem não sabe, foi o próprio RM que se encumbiu de assegurar a decolagem do Mineiro.
Parabéns Mineiro
forte abraço,
R.O

Fazedor de Filme da Esquinaa disse...

confesso que não sou fã do estilo dele e isso pra mim faz uma baita diferença.

mas sempre admirei a gana do Mineiro. e é inegável o quanto ele progrediu nos últimos 3 ou 4 anos. e lendo isso, dá mais vontade ainda de torcer por ele.

RM (o outro)