quarta-feira, março 21, 2012

Kelly Eastwood



 “Every jackass thinks he knows what war is. Especially those who've never been in one. We like things nice and simple, good and evil, heroes and villains. There's always plenty of both. Most of the time, they are not who we think they are.”(Bradley) - Flag of Our Fathers
Sem nenhum motivo aparente acabo sempre associando as conquistas do Slater aos filmes do Clint Eastwood.
Desde a famosa final em Huntinghton Beach, 1996. quando Kelly e Shane Beschen disputaram uma final que entrou para a historia de forma meio vergonhosa - embora contundente.
Slater tinha tres vitorias, Beschen ganhara duas e estavam ambos disputando o topo do ranking, sendo que Beschen tinha conseguido a tal primeira bateria perfeita da historia da ASP, 30 pontos em 30 possiveis ( ironicamente, o recorde anterior era do Slater), tres notas 10 num mar classico em Kirra, quando a primeira etapa do tour ainda era da Billabong.
Diante dum publico de 50.000 pessoas, Slater foi declaradamente desleal com Beschen, o colocando numa interferencia que mataria qualquer chance de reação do californiano naquela final. Foi um choque para a comunidade do surfe que até então (e até hoje) se considera uma irmandade.
Slater não estava ali para fazer amigos. Estava ali para ganhar e nada mais.
Aquela situação logo me remeteu ao meu filme predileto, Os Imperdoaveis (Unforgiven, Clint Eastwood, 1992, EUA) e uma das ultimas cenas, Gene Hackman interpretava o xerife canastrão que infernizou a vida do protagonista, vivido pelo proprio Eastwood.
Cercado, Little Bill (Hackman) tenta de todas formas evitar o confronto com pistoleiro Willian Munny (Clint), finalmente dominado, Munny aponta seu rifle para a cabeça do xerife que ainda tenta um ultimo argumento, eu não mereço isso, eu estou construindo uma casa
Munny/Eastwood retruca sem pensar, merecer não tem nada com isso, e dispara.
Mas isso foi em 1996… 2011 é outra historia - ou não ?


Prefiro usar agora a frase de outro magistral filme do Eastwood, A Conquista Da Honra (Flag of our Fathers, EUA 2006).
Logo no inicio do filme, um veterano de guerra faz sua reflexão, Qualquer idiota pensa saber o que é a guerra. Especialmente aqueles que nunca estiveram em nenhuma. Gostamos das coisas bem simples: bem e mal, heróis e vilões. Há sempre bastante de ambos. Na maior parte do tempo, eles não são quem achamos que são..
Essa é a impressão que tenho do Slater, nunca temos certeza do que ele representa.
Claro que a primeira coisa que nos vem a cabeça é grandeza.
Já vimos diversas facetas do camarada, torcemos por ele e contra ele durante todo esse tempo, afinal 20 anos é suficiente pra mudar de ideia mais de uma vez.
Ninguem domina tanto tempo um esporte, ou mesmo um simples ambiente de trabalho ou familiar, sem alguma tirania e a maior delas é provavelmente a vitoria.
Slater nunca teve a convicção que alcançaria esse numero formidavel de vitorias e recordes no circuito ou fora dele - como esquecer que ele foi eleito 16 vezes surfista mais popular do mundo segundo a revista Surfer ou seu triunfo (polemico) no Eddie Aikau ?
Onze titulos mundiais não é coisa que se planeje. Até Portugal, são 70 finais, 48 vitorias, numeros que sequer fazem sentido quando comparados com ou outros surfistas.
Qualquer idiota julga saber o que é um circuito mundial de surfe profissional...
Slater é hoje um veterano de guerra em ação. 
Muito pouca gente consegue manter a lucidez sem se dobrar às armadilhas que pipocam no dia a dia duma atmosfera como do surfe profissional.
Os casos mais notorios de surfistas que não aguentaram o peso da idolatria são Curren, Michael Peterson e mais recentemente Andy Irons.
Atrás duma timidez atroz escondia-se Curren até onde foi possivel. Foi um choque saber que o surfista exemplar que mais inflenciou Slater no começo da carreira passou por problemas com alcool.
Michael Peterson não teve a mesma sorte do Curren.
Ainda mais arredio a exposição, MP enlouqueceu subitamente, alimentado pelos excessos - inclusive, o de vitorias.
Andy ainda esta tão vivo na nossa memoria que nos recusamos a pensar nele longe, mas a verdade é que Irons não teria ido embora tão prematuramente se continuasse o competidor mediano de 1999.
Uma vez que voce exprimenta vencer, nunca mais aceita outra coisa.
De todos os riscos que Slater correu nesses 20 anos, o unico que o conseguiu pegar foi o vicio da vitoria.
E como todo bom viciado, Kelly Slater fará tudo pela proxima vitoria.
Da mesma maneira que no futebol não existe gol feio, feio é não fazer gol, Slater continuará vencendo porque não sabe fazer outra coisa.
Tentou golfe, leva jeito mas não é o melhor, azar do golfe, sorte do surfe.
Não poderia terminar esse texto sem deixar de citar mais um trecho de filme dirigido e atuado por Clint Eastwood. Chama-se Josey Wales, O Fora da Lei (The Outlaw Josey Wales, EUA, 1976) - Lembre-se, quando tudo parecer perdido e voce achar que não vai conseguir sair desta, voce tem que ser mal. Digo, malvado mesmo, enlouquecidamente mal. Porque se voce perder sua cabeça e desistir, voce não sobrevive, nem vence. E as coisas são assim.

2 comentários:

Anônimo disse...

parabens pelo texto primoroso. ressalta em muito a competitividade. nao totalmente desleal, mas sim sagaz e como uma ave de rapina aproveitando o despreparo das presas faceis..

Unknown disse...

Julio, como sempre perfeito na colocação. Texto extremamente simples, coerente e de um bom senso equilibrado. Concordo com o fato de que ele é profissional, está ali para ganhar; é a profissão dele. Alguém se lembra do nosso herói Airton Senna? "O que importa é a vitória ! Se você corre para chegar em segundo lugar volte para sua casa !". Jamais questiono a competência do KS ! Só ponho em discursão o fato de que o juízes gostam dele ! Deram muitas vitórias que não eram vitórias ! Arrisco dizer que o AI sucumbiu por ter se tornado SOBERBO com o Tricampeonato ! É notório que a ASP não gosta disso ! KS além de profissional é político, diplomata, só faz o certo, não agride nunca ! Fiquei espantado ele ter feito o que fez na bateria no Rio, ter ficado dentro da área limite do evento e pagar a multa por te literalmente Gag... e Andado para os organizadores ! Questiono o fato da síndrome de Peter Pan, pois não sabe parar, e inteligentemente a Asp não quer que ele pare, pois ele é o maior Embaixador do surf no nosso planeta !
Sem mais, KS por favor pare de competir os novos talentos agradecem !
Ivon.