domingo, maio 11, 2008

Quase tudo verdade


Occy enterradão.

Revista Surf Portugal>Tempestade em copo d'água>182>Março 2008

Lowe e Occy quando aposentaram-se deixaram o circuito mundial mais espoleta, menos borda n'água.
2008 será um ano para esquecer se voce surfa com o pé direito na frente, apenas 11 goofys nos 44 e nenhum deles pode ser considerado um 'power surfer' do calibre dum Lowe, ou Egan - deixaremos Occy fora dessa para não corrermos o risco de linchamento.
Por outro lado, entra Jordy, com seus quase 90 kilos e toneladas de borda enterrada seja em Durban ou Sunset.
Nos top 10 de 2007, vejam só, apenas um goofyzinho, El Chicano Martinez, que não pode ser considerado um surfista de muito peso na onda e ocupa a décima posição, seguido de C.J. em 11º e Kai Otton em 12º, Damien H. em 15º encerra a lista do goofys entre os top 16, a verdadeira elite da ASP.
É pouco, nem sempre foi assim.
Logo ali nos idos de 1976, quando a IPS resolveu fazer as contas no final do ano e coroar um campeão mundial, ganho pelo regular Peter Towned (sem vencer um evento sequer para desespero de todos), no engatinhar do surfe profissional, dos 16 primeiros apenas 3 eram goofys, em oitavo, o Pipe Master Rory 'The Dog' Russel, o aussie recluso e rebelde Wayne Lynch ainda na dúvida entre a reclusão absoluta ou o título de campeão em décimo primeiro e o bigodudo da flórida Jeff Crawford, especialista em Pipeline, em décimo sexto.
Russel repetiu a dose em 77 (tambem bi em Pipe), oitavo do mundo, desta vez sozinho, sem a companhia de um único surfista que surfasse de frente pras esquerdas de Pipe, mas dos 12 campeonatos do circuito mundial, quase todos em direitas, tivemos os goofys Daniel Friedman e Crawford vencendo em casa, Waimea 5000 e Wave rider Florida Pro.
Tinha sempre um gatinho goofy pingado nos top 16 mas nada que assustasse MR, Rabbit, Kealoha, Shaun, Anderson e Horan, ou seja, num circuito de direitas, surfar com o pé esquerdo na frente era quase um defeito.
lugar de Goofy era em Pipe e acabou.


Sem Lowe o circo fica sem um gordinho bombeiro.


Isso até 1981, quando entra na história um baixinho sardento que mudaria a história do surfe. Ele não vence nada em 81 mas termina entre os dez primeiros e em 1982 assombra o mundo demolindo o Sunkist World Cup em ondas de 12 pés em Sunset e tornando-se o primeiro goofy a vencer surfando de costas pra onda no circuito mundial- vence e convence!
Tom Carroll mal tinha completado 21 anos e já era terceiro do mundo, atrás apenas do tetra MR e do (tetra) vice Horan, um feito notável para qualquer surfista daquele tempo mas inconcebível para um goofy.
Carroll inverteu a desvantagem e tomou o tour de assalto em 1983 e 84, ganhando em Burleigh, Narrabeen, Japão e Flórida, deixando pra trás todos candidatos ao título e prognósticos, sagrando-se bi mundial.
Mas Carroll não se resumia num competidor feroz, que aliás nem era, Tommy 'The Gun' como apresentava a propaganda da Rip Curl, era uma britadeira de backside e surfava com uma força nunca antes vista, devido a uma cirurgia que sofrera no joelho direito que o obrigou a fortalecer a perna. Carroll tinha as pernas desproporcionais de tão fortes. Olhando de susto, parecia que tinha alguma coisa errada, um dorso enfiado de anão enfiado nas pernas de um halterofilista.
Os novos tempos apontados pelas vitórias e conquistas de Carroll encoraja jovens goofys a atacar o circuito mundial, Occy, Glen Winton, Barton Lynch e os veteranos Joey Buran e Terry 'Richo' Richardson representam a nova onda de goofys nos top 16 que culmina em 84 com Carroll em primeiro e Occy em terceiro.
Duma hora pra outra os goofys atropelaram a supremacia regular e acotovelam-se no top 16 de igual pra igual até, finalmente, 1988, ano da consagração de Barton Lynch, que tem Damien Hardman em segundo, Carroll em terceiro e Derek ho em quarto.
Mas nem Barton, nem Hardman, nem Ho, Bain, Winton, Macaulay tinham o power de Carroll na alvorada dos anos 90 e o tampinha estava prestes a se aposentar.
Quem iria levantar a bandeira dos enterra-a-borda ?
Luke Egan era um competidor medíocre, restringia-se a participar do circuito mundial sem incomodar os donos dos lugares cativos na frente do ranking, entretanto era repetidamente indicado pelos seus pares (como Slater, Garcia, Machado e Powell) como o melhor surfista do tour.
Egan foi vencer um evento depois de quase uma década no circuito, frequentou os top 16 por oito anos e aposentou-se ainda com surfe de top 8.
Ninguem ouviu falar muito de Michael Rommelse, o surfista que vi surfar com a pisada mais forte e pesada, parecia ter uma bigorna no pé de trás. Rommel terminou apenas uma vez entre os top 16,mas será lembrado pela promessa que não foi.
De volta para 2008, é curioso perceber que antes, nos anos 70, o circuito era dominado por regulars e as ondas que predominavam eram direitas, com exceção de Pipe, ou uma eventual Narrabeen, ou Arpoador, única chance de redenção dos goofys e hoje, num circuito onde as esquerdas pesadas podem decidir que leva ou quem roda, surfar de costas pra onda é uma vantagem.


Seria Marzo o próximo Reynolds ?

Comecei o texto com a intenção de falar da linhagem nobre que descendem Lowe e Occy, Banks, Lynch, Carroll... No meio do caminho me dei conta que o assunto devia ser a queda dos goofys em 2007, representada pra mim na aposentadoria precoce de Lowe e Egan, já que Occy vinha anunciando faz tempo que largaria o tour.
Estou curioso pra ver se em 2009 ou 2010 assistiremos uma revira-volta dos goofys com Clay Marzo, Tonino Benson, Mitch Coleborn, Matt Wilkinson, Owen Wright e Pablo Paulino.
Tô pagando pra ver.

18 comentários:

Anônimo disse...

Me lembrei do filme trash da Troma Picturees chamado "Surfistas Nazistas Devem Morrer (Surf Nazis Must Die)que tinha um discurso do líder da gangue nazista que dizia que os verdadeiros surfistas são os regulars e que eles não admitiam goofys entre eles!

Fabio Nunes disse...

os goofys estao em estincao, sabe porque????? porque simplesmente estao, chega de surf de borda, deixem todos pensarem que o surf é dos regulars , pois é Fabi Gouveia é regular, os goofys da nova geracao sao bons,mas tem boardas na agua, o surf esta de boarda esta mortooooooooo, salve se que puderrrrrrr, ae Julio da um check no meu blog, binhonunes,blogspot.com, vamos manter contato , uma abraxxxxx

Anônimo disse...

Caro Júlio:

Parabéns por seus textos, escritos com qualidade e senso crítico. Sou colunista de um site de surfe aqui do Espírito Santo, e escrevi um texto entitulado Localismo, "Covardia e Raciocínio Chulé", no qual menciono, ente outras coisas, a covardia de jornalistas de surfe em comentar determinados assuntos. Gostaria que, se você puder, desse uma olhada e comentasse o texto. Está disponível em www.ondaon.com.br.
Abraços!
Paulo Marreco

Anônimo disse...

A Etnies fez para o surfe o campeonato Goofys vs Regulars?

Acho normal ter mais regulars do goofys já que não é a toa que quem tem o pé esquerdo na frente é chamado de "regular" ou "natural" e posiciona o direito na frente é sinônimo de pateta!

Anônimo disse...

O surf de borda ainda não morreu, temos o Taylor Knox no WCT, e este vou torcer muito para ele se manter nos 44.
Julio seu texto é excelente, pena que o blog passe tanto tempo sem atualização.

Abraços,

Abílio

Anônimo disse...

só que da Terra Brasílis, quem se destaca nas esquerdas pesadas do circuito é um camarada do tamanho do Carrol, que de regular não tem nada.


marcus

Anônimo disse...

Apesar de ser goofy acho que nos tubos quem vai de backside acaba deixando o visual mais bonito. A mão cruzada segurando a onda e a outra na borda é muito bacana.

Anônimo disse...

Salve Bruno Santos. Um Goofy tuberider que dá um orgulho dandado.
Lembra Carrol em Pipe, sem exagero.
Em Teahuppo é o único brazuca. Os outros não estão preparados psicológicamente para aquela onda. ABS

Mephysto disse...

A plasticidade, sem sombra de dúvida, é ressaltada pelo surf de backside, sobretudo em ondas tubulares, quando o surfista agarrado a parede, desliza lateralmente até a base, encaixando o pig dog perfeito, com a mão enterrada na parede. Quem já surfou tubos imemoráveis assim, sabe do prazer inenarrável, além de as batidas sairem com muito mais pressão.

Maurio Borges disse...

Caraio, velho! Pensei que havias morrido "de-gra-ça-do"! Andavas sumido, hein?

Não aguentava mais entrar aqui e lêr... Meu big rider é uma moça...

Tás trabalhando muito pouco. Vê, se de vez enquando, tu blogas alguma coisa nova para alimentar a nossa alma!

Bj nessa testa...

MB

Bodhi disse...

...e todo mundo sabe que, em geral, os goofys não surfam tão bem de backside quanto de front. Até o Dane Reynolds já falou no YGII que os regulares pegam esquerdas ou direitas, tanto faz. Além disso existem mais esquerdas no mundo do que direitas, fazendo com que os regulares possam treinar e ESCULACHAR de costas pra onda. Eu tenho uma teoria de que na verdade muito ggofy por aí deveria ser regular.

Já o Bruno Santos não, esse é um goofy legítimo!

Anônimo disse...

Bruno Santos campeão em Teahupoo! Nem sei o que dizer! Pra mim é como o Guga ganhar Roland Garros ou o Fittipaldi vencer as 500 milhas!! Desde o Fabinho em Sunset que um brasileiro não ganhava uma etapa desse calibre. E nós temos que aturar Jihads no CT...

Parabéns Bruno Santos!

Francisco disse...

Queremos resenha de Teahupoo Julio!

Sds

Bodhi disse...

Que comentario foi esse que o Leo Neves fez sobre o Bruno Santos?

Anônimo disse...

Não dá para escrever extinção com "s" e querer escrever um blog. Melhor ir pegar onda. Sem ofensa.

Anônimo disse...

tambem gostaria de saber esses comentarios, ja' que o Bruno me parece ser um cara super gente boa.

UnderDog disse...

"Vaidades das vaidades, tudo é vaidade". Léo Neves soçobrou. Intuiu, o que falava, era legítimo, imaginando ser vítima da mídia especializada. Se se fixasse apenas na ausência de suporte material e emocional, para enfrentar o circuito, estaria absolvido. Mas ousou ir além, deixou escapar, sem censura racional, a inveja que lhe acompanha e atacou o Wonder Boy, que realmente é o que há. Este, porém, já entrou para o Hall dos Heróis Nacionais.

P.S. Por que a ASP não faz como a CBF e estabelece uma cota para cada um dos Top 45 a custear todas as despesas relativas a estadia, alimentação e transporte? Desta forma, as queixas de falta de suporte que os brasileiros alegam, seriam minimizadas.

Anônimo disse...

Julin

texto bom pacaceta... rapaz, será que não esquecestes do Ry Craig?? Esse cabra é herdeiro direto do Carroll e do Occy e, ainda por cima, dá uns aéreos que nem os de Petrônio Pica!!

abs

PPU