segunda-feira, novembro 26, 2007

Taj



De tudo que vi em Imbituba, sem dúvida a cena mais desoladora foi Taj sentado na beira da área dos competidores olhando fixo para o nada.
Sou capaz de apostar que ele chorava.
Fanning celebrava seu recem conquistado título acompanhado de todos australianos presentes, exceto Taj.
Me fascina o outro lado da competição, o lado escuro, triste, a história que ninguem conta.
Pouco me importa o que Fanning disse ou deixou de dizer uma sucessão de uhuus e 'não tenho palavras'.
Taj estava ali doído da perda.
Já faz mais de uma década que Taj está nessa brincadeira, lembro de 1996 em Portugal, o garoto sardento e cabeludo, veloz como um garoto sardento e cabeludo da Austrália (alguem disse Cheyne Horan ?), demolindo tudo que se mexia dentro do Atlântico gelado e fazendo finais, uma atrás da outra.
Taj classificou-se para o WCT e abriu mão da vaga para terminar os estudos e se preparar melhor para uma carreira fulminante que prometia.
Joel, Bobby M. e Mick nem sonhavam com o circuito em 96 - ou melhor, sonhavam sim, de cima dos seus 15 aninhos - e Taj já era a sensação.
Naquele momento,Taj representava toda derrota. Fora batido pelo burocrata Whitaker numa bateria previsível, Taj caiu muito, Tom Whits escolheu bem as ondas e pronto- simples.
Fiquei tanto tempo para descrever o último dia do Hang Loose Pro por falta de assunto.
Slater saiu d'água, depois de ter apanhado feio pro novato Kai Otton, pegou sua 6'3'', prancha que usou no dia anterior, e deu para Fanning, que surpreso retribuiu com uma 5'11'' do quiver campeão.
Aqui cabe espaço para todo tipo de simbolismo, mas resumindo o recado é que a brincadeira tinha terminado e ninguem mais alcançaria o Macaco Albino.
Mais de um mês depois, a imagem do Taj olhando para a insana comemoração como um altista, sem pertencer a nenhum lugar, me surpreendeu.
Deixei de lado o campeonato.
Nada mais fazia sentido diante da dor daquela perda.

6 comentários:

Anônimo disse...

Para mim surpreendente a reação descrita do taj...pensei que estava acostumado a perder.

Anônimo disse...

Dor superada. Espia só...

http://www.clicrbs.com.br/jornais/dc/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&edition=8868&template=&start=1§ion=Colunas+e+Charges&source=a1671398.xml&channel=22&id=1038&titanterior=Cacau+Menezes&content=&menu=36&themeid=§ionid=&suppid=&fromdate=&todate=&modovisual=

Viva La Brasa disse...

Pô, eu tava torcendo pro Taj este ano...

C, eduardo Barba disse...

E ai,

sinceramente digo que, esta ano, gostaria de ver o Taj campeao. Penso eu que Mick tem ainda muito mais anos pela frente do que Taj, portanto...

Taj merce a algum tempo, ja que tem sido muito regular durantes esses ultimos anos.

Ano que vem, temos Jordy e Dane. Duas das novas sensacoes, caras que frequentarao os top 10 com certeza.

Taj tera que ser melhor que muita gente para levar ano que vem...

Valeu.

falothau

bodhi disse...

Achei que o Taj fosse levar este ano. Ganhou do Andy na final em Bells e do Kelly na final em J-Bay, dois dos maiores predadores do tour. Achei que finalmente tivesse perdido o medo de ganhar, especialmente nas finais. Mas acho que talvez depois de Trestles, onde perdeu de cara, sentiu a pressão e voltou a temer.

Rodrigo RJ disse...

Não adianta, ............o Taj é peidão, na hora do vamo ver a perna dele treme , o pé escorrega.............vai carregar a síndrome do vice igual ao Gary Elkerton, que só foi tirar essa urucubaca no Masters.

Ele vai pelo mesmo caminho...........é Taj espera mais uns anos e levanta a taça no campeonato de coroa.