quinta-feira, maio 12, 2005

A banda de apenas um homem

[É uma dessas coincidências fantásticas, um caso de duas lendas fundidas num único nome: Matt Johnson.
O primeiro, se é que existe cronologia, existe no imaginário do surfista desde 1978, quando John Millius o concebeu e Jan-Michael Vincent o encarnou no clássico filme Big Wednesday.


Um dos cartazes do filme, com a foto-montagem da imagem famosa do Noll

Apesar de não ser diretor genial, Millius tem seu lugar cativo na história do cinema pelo roteiro de Apocalipse Now e por ser responsável pela aberração do Shwarzenegger em Conan (que traz Lopez como seu fiel escudeiro, Subotai) e eventuais parcerias com George Lucas, Don Siegel (Dirty Harry) e Spielberg.
Voltemos ao Matt Johnson de Big Wednesday, um surfista excepcional, ídolo no seu reino (Malibu) embora cheio de defeitos e fraquezas como todos nós.
O filme não é de surfe, mas de relações, amizade e confiança.
Matt Johnson é violentamente esmurrado por um dos seus melhores amigos em determinado momento do filme, quando provoca um acidente completamente embriagado.
Não é poesia, nem adequado para a boa imagem que o novo-jornalismo prega, talvez contaminado pelo evangelismo do politicamente correto, mas é pura realidade.


Amigos na praia, amigos fora dela. Um filme sobre feras e bundões, onde voce não sabe quem é quem.

O outro Matt Johnson não existe, o que existe é a sua magnífica obra como The The.
Durante os anos oitenta algumas canções fincaram suas melodias em alguma parte do cachola coletiva e permearam toda década como trilha sonora de boas recordações.
Estivesse na China ou no Kwait, quando escutava (escuta!) o pianinho mágico o mundo todo parava ouvindo com atenção Matt Johnson falar convicto:


Clássico como uma onda em Itaúna - tentando achar uma frase, optei pela música inteira, com refrão repetido e tudo para cantar em casa.

THIS IS THE DAY

Well, you didn't wake up this morning because you didn't go to bed
You were watching the whites of your eyes turn red
The calendar on your wall is ticking the days off
You've been reading some old letters
You smile and think how much you've changed
All the money in the world couldn't buy back those days

You pull back your curtains
And the sun burns into your eyes
You watch a plane flying
Across a clear blue sky
This is the day
Your life will surely change
This is the day
When things fall into place

You could've done anything If you'd wanted
And all your friends and family think that you're lucky
But the side of you they'll never see
Is when you're left alone with the memories
That hold your life together ... like glue

You pull back your curtains
And the sun burns into your eyes
You watch a plane flying
Across a clear blue sky
This is the day
Your life will surely change
This is the day
When things fall into place

This is the day your life will surely change
This is the day your life will surely change
This is the day your life will surely change
This is the day your life will surely change



O homem por trás da obra

Um comentário:

Anônimo disse...

grande julio, vc é o nosso matt johnson, o cara que surfa apenas pelo prazer, pelos amigos, pelo mar, pelas viagens, pelas raízes. quando entra grana, vc quer fazer o melhor, o surf mais verdadeiro, mas "eles" quase sempre não entendem, ou não querem entender.
mas eis que surge um filme como fábio fabuloso e talvez vc e o poeta, shaper de sonhos azuis, bear-pepê cezar encontrem o reconhecimento que merecem. abraço, zé, e que canção excepcional, pena que o "the day" demore tanto a chegar, mas está chegando, pois 2005 é o ano da vitória dos poetas. Finalmente.
PS- parabéns ao mengo por tirar um pouco a máscara do robinho (sei que o admira, mas vejo muita máscara no gênio da 7).