sábado, julho 07, 2012

O rebelde original


Mr Pipe, Mr Sunset, Mr Waimea
[Dezembro de 2010]


Furiososamente sereno, Joe Frazier relembra suas lutas contra Ali, o grande.
De todos maiores adversarios do Muhammad Ali, Joe Frazier é o único que nunca o perdoou.
Foreman, Liston, Paterson, todos perdoaram Ali pelos insultos e fanfarronices que fazia para promover as lutas.
Frazier não. As feridas são fundas demais pra esquecer.
O homem conhecido no início da carreira como Cassius Clay, convertido pelo islã em Muhammad Ali, tinha uma lingua comprida e afiada, tão rápida quanto seus golpes.
Hoje em dia, Ali mal é capaz de pronunciar uma palavra, atingido pelo mal de Parkinson, doença degenerativa que em muitos casos limita os movimentos até quase a total paralisação.
Frazier diz que Ali tem o castigo que merece.
Enquanto Ali ainda é celebrado e enriquece com direitos de imagem, um totem imóvel em sua própria homenagem, Frazier ainda treina boxe e jovens boxeadores todos dias na sua pequena academia na Filadélfia.
Smokin Joe Frazier vive num quartinho, dentro da sua academia.
Ali tentou algumas vezes a reconciliação, sempre rejeitada por Frazier, que até hoje jura ter ganho as tres lutas históricas que fizeram nos anos 70.
A ultima delas ficou conhecida como Thrilla in Manilla, realizada nas Filipinas, dia 1 de outubro de 1975, um dos eventos esportivos mais assombrososamente espetaculares de todos tempos.
Ali venceu por nocaute técnico no décimo quarto assalto (Frazier ficou absolutamente cego de tanto apanhar), alguns julgam ter sido essa luta a causadora das trevas que Ali vive hoje, tamanha a violência que foi submetido.
Essa luta resiste ao tempo. 

Front side pra esquerda...


Assim como resiste ao tempo outras lendas.
Uma dessas lendas, Jock Sutherland.
Na noite do prêmio que a revista Surfer oferece aos 10 surfistas mais populares do mundo, votados pelos leitores, diante de tantas estrelas no Turtle Bay Sheraton, eu só tinha olhos para um senhor de mais de 60 anos.
Camisa florida, sempre cercado por gente mais jovem, cabelos curtos no estilo militar e um jeito discreto, Jock Sutherland era a figura mais intrigante da noite.
Ele que já tinha ganho o titulo de mais popular em 1969 e foi o primeiro Pipe Master de fato, antes ainda de ser criado o campeonato, quando o desempenho nos maiores e melhores dias determinavam quem mandava no line-up.
Sutherland surfava de frente pros dois lados, Waimea ou Pipe, qualquer tamanho.
Tudo que fazia virava lenda.
Seu apetite e resistência às drogas tambem se tornaram celebres.
Um dos mais famosos feitos de Jock (que tambem batiza uma das melhores esquerdas do North Shore, Jocko’s) ficou conhecida como Jock’s night session.
Corria o ano de 1969, epico inverno havaiano com as maiores ondas jamais vistas pelo homem, em um dos inúmeros dias de Waimea, Jock chega na praia quase escurecendo e se lança ao mar para algumas ondas - estima-se que, pasmem! com uma 7’10’’!!!
20 pés, series de 25 ou mais e a noite chegando. Nada do Jock sair d’água.

E para direita...


A multidão de amigos assistia incrédula da praia o rastro branco nas imensas paredes pretas e nada dele sair.
Num determinado momento, a movimentação parou no outside e o suspense só foi quebrado quando um pedaço da prancha apareceu na beira d’água.
Numa condição daquelas, mesmo durante o dia já seria um feito e tanto sair vivo daquele mar, imaginem a noite ?
O tempo pasava e as autoridades foram acionadas para iniciar as buscas pelo inevitável corpo do insano surfista que ousou enfrentar a ira de Waimea na escuridão da noite.
Eis que surge, sem mais nem menos, muito longe dali, uma figura de short amarelo, cabelos cheios de areia, meio confuso.
Alguem viu minha prancha ?
Quebrou, Jock...
Chato.
Onde voce saiu ?
Ali perto de Pipeline...
Pipe fica quase um quilometro de Waimea!
No dia seguinte, o escritor Allan Weisbecker (autor dessa historia na revista Surfing) encontrou o irmão do Jock, Jim e perguntou se Jock tinha tomado alguma coisa no dia anterior.
Ele enfiou o dedo num pote de Sunshine (famoso e poderoso LSD, tomado comedidamente encostando só a pontinha do dedo na geléia), disse Jim.
Quanto ele tomou ? Perguntou impressionado Allan.
Enfiou o dedo todo.
No auge do movimento hippie, com todos pedindo pela paz e usando cabelos compridos, doido que era, Jock cometeu seu maior ato de loucura ao alistar-se no exército para cumprir seu dever com a pátria.
Jock sempre foi o rebelde original.
Calado e mortal - como Frazier.

Frazier demolindo o mito

2 comentários:

Anônimo disse...

Caro Julio;

Já falamos disso mais de uma vez: nao conheço texto igual ao seu quando o assunto e surf. Benjamim dizia: trata-se de um astro que brilha em ar sem atmosfera. Um dia escreverei sobre o seu fascínio em escrever sobre marginais que se institucionalizam...
Meu amigo, e imensa a felicidade de velo alimentar o goiabada...
Grande abs João guedes

Anônimo disse...

Concordo com o jovem de cima!
Suas materias me fazem viver o surf antigo e moderno!!
Vc deveria escrever um livro algum dia...