quinta-feira, setembro 23, 2010

Dora, por Derek


O sempre simpatico e amistoso Dora saudando seus numerosos fãs

Dora ? Dora não tinha amigos, disse Derek.
Caí na asneira de dizer que conhecia alguem que conviveu bastante com Mickey Dora, usei mal a frase, disse que o camarada era amigo do Dora.
Era uma bela tarde de outono, numa das praias do norte de Sydney, ceu limpo, temperatura de Rio de janeiro.
Robertinho tinha combinado com Derek Hynd de nos encontrarmos para um fish and chips, papo e quem sabe um surfezinho sem vergonha.
Estava armado de perguntas até os dentes.
São muitos anos lendo tudo que o malandro escreve e tudo que escrevem sobre ele, chegou a vez de conversar olhando nos cornos do sujeito.
E o livro do Dora ?
Deram pra outro cara
…respondeu com a veemência das reticências.
Mas voce conheceu bem ele, não ?
Ninguem pode dizer que conheceu bem Dora
.
Desta vez um robusto ponto pra encerrar a conversa.
Sentado conosco num banco de parque quase na beira da praia um velho amigo de escola do senhor Hynd.
Ele era bom aluno ?
Depois dum silêncio que deve ter durado menos de um minuto e pareceu meia hora, os dois amigos se olharam,
Fomos os dois bons alunos, até conhecer o surfe, as mulheres, o alcool e as drogas… Malditas reticências pelas coisas que diz e deixa de dizer, penso com meus botões.
Derek concorda em parte e enfatiza nas mulheres
Nem tanto pelas drogas, murmura.


Deus do estilo

Quer saber uma historia do Dora ? Lembrei duma agora.
Sabem quem é Charles Manson ?
Bem, Dora contava que tinha um moleque pentelho em Malibu nos anos 60, desses que passa o dia enchendo a paciência dos outros.
Dora era seguido por ele onde ia e já não aguentava mais o rapaz.
Passando um dia por Dennis Wilson, que Dora odiava pelas musicas xarope que faziam e pela gratuita comercialização do surfe, o cavalheiro negro teve uma ideia maquiavelica.
Ei, Manson! Conhece aquele cara ali ? É um dos Beach Boys. Por que voce não vai lá e se apresenta ao cara ? Voce não faz musicas tambem ?
Olha, essa historia veio do Dora e voces conhecem a fama dele, não ?


Pensa, Dora, pensa!

De qualquer maneira, é famosa a associação dos Beach Boys com Manson.

Aqui entro eu para explicar um pouco quem diabos é Charles Manson.
Resumindo, Manson era um psicopata que assassinou a sangue frio (e, dizem, ao som de Helter Skelter dos Beatles) uma das atrizes mais lindas da historia do cinema, Sharon Tate, gravida de oito meses, esposa do genial diretor polonês Roman Polanski.
Manson está em cana até hoje.


Humor negro

Hynd continua sem parar de mastigar,
A historia não para por aqui. Agora vem a parte mais engraçada.
Lembram quando Dora foi em cana pelo golpe dos cartões de credito ?
Ele conta, e aqui volto a dizer que essa é uma das historias do Dora e voce nunca sabe onde começa a fantasia ou quando termina a realidade, ele conta então que entra na cadeia de segurança maxima la nos Estados Unidos e enquanto vai passando pelas galerias ouve, Dora!
Ei Dora!
Sou eu Manson! Lembra de mim ?



E o que dizer das mãos ?

A mesa explodiu numa gargalhada.
Uma das grandes virtudes de Mickey Dora como mito do surfe é a sua capacidade de esticar a lenda até não poder mais.
Lembro das historias fantasticas que Fred contava sobre as ondas que Dora tinha surfado, quando D'orey foi até a guarda tentar uma exclusiva pra mais vendida.
Quase todas dificeis de acreditar, todas fascinantes.
Dora encanta pelo misterio que ele soube preservar tão bem.
Outra lenda que ouvi recentemente (e conferi no livro All for a Few Perfect Waves: The Audacious Life and Legend of Rebel Surfer Miki Dora de David Rensin, It Books, EUA, 2008) diz que Dora apesar de ter vivido basicamente de favor nos seus ultimos anos, pulando de quarto em quarto, carro em carro, casa emprestada atras de casa emprestada, tinha US$ 400.000.00 guardados em diversos investimentos e varias contas espalhadas pelo mundo.
Uma ultima, rapida, tambem do livro.
Miklos Dora Senior, o pai, tinha acabado de pagar a fiança pro filho poder enfrentar o julgamento em liberdade. Gastou uma grana preta com advogados e despesas. Confessa o pai que esperava que o filho devolvesse parte da grana quando saiu da cana braba.
Dora, sempre surpreendente, falou pro pai,
Preciso duma raquete de tenis nova, vamos numa loja...

Na proxima coluna, nunca fiz isso antes, prometer tema de coluna, devo escrever sobre a interpretação do Derek Hynd para a grande colaboração do Tom Blake pro surfe.

6 comentários:

henrique disse...

Isso me motiva a continuar acordando às 4:20 para ir surfar em um mundo totalmente paralelo que só dura até às 7h.

Julio Cesar disse...

Lembro de ler sobre o Dora desde que comecei a surfar no final dos 80's e sempre fiquei fascinado pelas inúmeras histórias sobre a vida dele. Lembro de ter reações distintas a cada leitura: ora, admirava a personalidade ímpar, ora, achava que se tratava de um mau caráter. Mas, mesmo sabendo que se criaram várias histórias ao redor dele, sendo várias fantasiosas, tudo relacionado a ele ainda me chama muito a atenção. Julio, sugiro, para deleite nosso, que vc escreva mais histórias sobre ele, inclusive essas do D'Orey. É pedir muito?! rs. Há braços.

DSC disse...

muito bom.....

Anônimo disse...

Valeu Julio!!!
Finalmente vc falou sobre o Dora. Eu sempre quis lê-lo sob sua perspectiva, que acabou se mostrando imparcial (apesar de ter sentido umas brisas de admiração).
Agora só falta escrever sobre o MP, Pat Curren, Mike Hynson, Dewey Webber, Ritchie Collins, Paulo Aragão, Cauli, Mike Boyum, Dadá Figueiredo e mais uns 48 que não me recordo agora.
Abraço

Marcio (Praia do Peró)

Lucio Mello disse...

Cara, me lembro de uma matéria enorme sobre o Dora que saiu na Surfer Brasil (alguém lembra desta revista?). A história do cara era animal e as estórias idem.

Lembro-me bem de dois trechos desta matéria:
1 - A batalha de vida e morte entre uma baleia e um polvo enorme, bem perto do Dora, que surfava na namíbia, sem uma viv'alma por perto;
2 - O caminho das melhores ondas do mundo, que ele afirmava ficarem na Irlanda. E que não se importava em falar o país, pois era tão difícil encontrá-las, que ninguém acertaria.

Figuraça.

Fortes [ ]'s.

Viegas disse...

Ô Julio, se lembra que cruzamos o Dora num supermercado de Jefrey's todo sujo de tinta... encontro bizarro!