quinta-feira, maio 11, 2006

Sal na terra



[Pedro Adão e Silva é a antítese do tipo que tanto prolifera-se em praias brasileiras.
Seu envolvimento com surfe é duma profundidade difícil de alcançar.
Alimenta 4 blogues com suas paixões: Musica com o Quase famosos , política (O Canhoto) e surfe no inspirador Ondas e o outro que leva seu nome.
Não deve ser fácil achar tempo numa agenda que inclui ainda lecionar e cuidar do recem nascido herdeiro.
Nesse turbilhão de tarefas, prevaleceu a vontade de compartilhar uma de suas maiores virtudes: o Olhar.
Quando recebi esse texto que cito abaixo me dei conta duma coisa: onde estão os Pedros desse lado do Atlântico ?
Recordo que certa vez um editor me disse, em tom de desdem, que achava a Surf Portugal muito melancólica.
Tomei um susto.
Mais tarde, pensando no que ouvi com mais calma, cogitei com meus botões se o amigo não confundia o que entendo por, usemos aqui a palavra profundidade, nos cai bem, com algo mais fútil e rápido - talvez bem humorado, sim ? - mas refleti se nosso amigo achava que tudo distante da linha editorial infanto juvenil seria triste, melancólico.
Se assim for, Pedro é um vidente dessa melancolia, um surfista que recusa-se a ser tratado como consumidor ou público-alvo e cria seu próprio ambiente partindo das coisas que acredita - como nos blogues e agora na sua coluna na Surf Portugal.
Seu texto (clica aqui e leia tudo) de estréia é um presente que faço questão de emprestar aos 4 leitores do Goiabada.]


'Entre a multidão que ouvia o Profeta, encontravam-se muitos pescadores que conheciam bem a importância e a função do sal: conservar e purificar. E, acima de tudo, sabiam que o sal não ficava no mar, transformava-se, ia para a Terra para dar sabor à vida humana. E fazia-o com um tempero que não era efémero. Um tempero que se conservava, pois o sal arde mas não se consome.
É esse o sentido último da metáfora do “Sal da Terra”: a busca de uma vida purificada e revigorada, a procura da plenitude. É também essa a ambição e parte da experiência de quem faz surf (ou dos viciados em fazer surf). Também nós, surfistas, sabemos bem qual é a importância do sal.'
texto publicado na coluna "Sal na Terra" da Surf Portugal.

2 comentários:

Lucas disse...

Só para deixar registrado: muito bom o texto.

Anônimo disse...

Melancolia nos remete a um estado por vezes, de saudosismo.... Acho a Surf Portugal a melhor edição especializada em surf, em língua portuguesa.... Enquanto por lá rola "melancolia", por cá, apenas hipocrisia e "copy & paste"...

"navegar é preciso, viver...."