domingo, abril 09, 2006

Esopo

Seis séculos antes de Cristo nascer, um escravo grego chamado Esopo escreveu algumas das obras mais importantes da literatura universal.
As fábulas de Esopo traziam animais que representavam a alma humana, com toda sua sujeira e toda sua grandeza - a vida de escravo deve ter servido bem à isso.
Coube ao poeta Francês Jean de La Fontaine recuperar e reunir os textos de Esopo, isso lá pelos idos do século XVII, num livro chamado 'Fábulas escolhidas'.
A moral no final de cada uma das estórias é a grande sacada de Esopo/Fontaine - onde adultos e crianças param e pensam onde se encaixam na sociedade.
Todos calhordas e heróis estão nas fábulas.
La Fontaine é considerado o pai da fábula pela pesquisa que fez sobre a forma e por resgatar estórias esquecidas pelo tempo.
Uma das fábulas mais famosas de Esopo, O Asno, a Raposa e o Leão vai mais ou menos assim:

Um Asno (voces podem trocar por imprensa), uma Raposa (optem, talvez, por ASP) e um Leão (Neco, sabem que ele é leonino, pois não ?) aliaram-se para sair atrás de alimento (grana).

A Raposa, mais astuta, arquitetou o plano, o Asno, mais burro, fazia muito barulho galopando ia na frente pela selva para alertar os animais da presença do Leão.

O Leão, sendo mais forte, capturava os animais, mesmo fugidios.

Ao fim da caçada, o Leão pediu à Raposa que dividisse a caça em tres partes iguais. Feita e partilha, o Leão voou no Asno e devorou-o, depois disse sonso para Raposa: A primeira parte é minha, por ser o rei da selva. A segunda parte é minha por ser teu sócio e a terceira parte é minha se voce não quiser que aconteça contigo o mesmo que fiz ao Asno.

Moral da História:
Cuidado com quem voce se associa, os mais fortes sempre ganham no final.



Usado descaradamente para dar exemplo num surto de hipocrisia da ASP e imprensa, Neco mostrou mais uma vez quem manda.
Essa vitória do Neco representa bem mais para mitologia do esporte do que a volta triunfal de Fanning em 2005.
Aqui vence o mais forte.
Atentem que Newcastle não fica na América do sul, a torcida não era catarinense nem carioca, o júri internacional louco para deixar o caneco em casa.
Foram 12 baterias, pelo caminho ficou o gigante Occy, favorito da torcida e recem chegado duma vitória controversa em Margareth River. Occy estava engasgado desde uma derrota esquisita no Japão, naquele ano fatídico onde tudo conspirou para o título redentor do queixudo.
Nenhum outro atleta foi punido pela ASP desde o afastamento de Neco.
Ninguem foi tão espezinhado pela imprensa quanto Neco pelo seu trauma em Teahupoo - talvez exceto pela maldade feita com Vitinho quando saiu duma bateria em Pipe sem surfar uma onda.
De contrato novo com a Mormaii, que finalmente parece disposta a abrir o cofre para pagar decentemente um atleta, Neco peita seus detratores mostrando que a raça é ainda maior que seu talento.
Completa 30 anos dia 11 de agosto, provavelmente comemorará em Lacanau, dentes trincados esperando pela sua bateria no seis estrelas.
Arrisco dizer que nessa altura já estará matematicamente classificado para o 'CT 2007 - metade do ano, digo eu.
A história é rica em personagens malditos e geniais: George Best e Romário, Gainsbourg e Tom Zé, Brando e Penn, Ali e Tyson.
Antes de Mineirinho, Neco era a grande sensação.
Com menos de 13 anos de idade era apontado por Derek Hynd como 'futuro do surfe' numa viagem que fez pela Europa com seu 'mentor' Avelino competindo apenas nas 'expression sessions' e fazendo o mundo inteiro parar e prestar atenção na novidade.
Ainda sem completar 15 anos venceu etapas do circuito profissional catarinense e causava espanto pela diminuta estatura.
Ninguem mais lembra de nada, pelo menos não se publica o que poderia ser lembrado.
Rob Machado acha que foi sacaneado pela ASP e só faz chorar pelos cantos o quanto o circuito perde sem um surfista como ele - incapaz de um retorno desses, como do Neco.
Um retorno de quem vai catar migalhas no chão, uma a uma, até conseguir o que quer.
Machado queria um convite, Neco quer uma chance.
A caça começou.

9 comentários:

Lucas Ribeiro disse...

Talvez o Neco não venha a ser campeão mundial do CT, mas tenho certeza que ele é o que me dá mais orgulho do surfe brasileiro. O cara tem seus medos, seus defeitos, mas, de forma alguma, busca escondê-los. Acho que isso o torna um grande campeão, independemente de vitórias dentro d`agua. Porque todos temos que aprender a perder, mas o Neco sabe disso, e procura vencer, com ou sem a "permissão" dos outros. E que venham os outros, pq ele tá com fome de vitórias.

Giovanni Mancuso disse...

Júlio, mais uma vez pergunto: onde assino? Aliás, acho que vou te mandar uma procuração de uma vez por todas...

Bruno disse...

Vale lembrar o que o Neco disse em uma entrevista:

"Em cada onda que eu remo eu carrego o povo brasileiro comigo..."

Rumo ao CT 2007!

http://www.olhandoomar.blogger.com.br

Xará disse...

Vi algumas baterias do Neco no Vodafone e fiquei impressionado com a garra, concentração e foco que ele está durante as baterias.... Dá gosto de ver ! Sabe aquela sensação de torcedor, que mesmo que o cara perca a bateria, vc fica feliz pelo esforço e determinação com que ele vende a derrota.... Força Neco !!!.... Dá tela do monitor tem muita gente torcendo por vc....
Obs: Julio, conta com mais detalhes esta história do R.Machado X ASP.

Anônimo disse...

Será que a mais vendida vai achar isso importante?Vencer 12 baterias em um único campeonato. Sinceramente não acho que o Neco seja o surfista brasileiro mais habilidoso e talentoso que já correu por nossa olas, continuo apostando no Raoni. Mas ele tem na veia o que todos os grandes campeões tiveram. Paixão. e contra isso meu camarada, não tem imprensa, política ou dores musculares que falem mais alto.
Dá-lhe cabeça de nós todos!
m&m

Anônimo disse...

Assinado por baixo, de olhos fechados! Parabéns mais uma vez Júlio. Arrisco-me mesmo a prever um terceiro título do WQS para o Neco... e garanto-vos que os portugas todos estão com ele também. Ideal mesmo, para nós, seria o Saca entrar também. Isso sim, seria um ano mágico!

Quanto ao Rob... a história pode resumir-se a: em 2001 partiu um pulso e viu-se afastado de dois WCT's. Nos outros dois em que competiu, um deles aí no Brasil, não passou do 17º lugar, pois estava claramente fora de ritmo. Resultado, com o vergonhoso cancelamento da perna europeia (que ditou o afastamento da prova portuguesa de vez!), logo a seguir ao 9/11 que mudou o mundo, The Mob ficou muito em baixo no ranking, sem qualificação para o ano seguinte. Pediu o injury wildcard mas a ASP preferiu dá-lo a Shane Dorian, que supostamente se magoou no tornozelo antes do Pipe Masters (mas andava a fazer performances animais em backdoor pela calada).

Rob sentiu-se escorraçado do WCT e nunca mais perdoou isso à ASP (nem nós!). Aqui em Portugal, dois anos depois e num evento da Reef, disse-me que não queria estar onde não era desejado, o que é perfeitamente normal. Para mim, a sua vitória no WQS de Pipeline este ano é a maior bofetada de luva branca que pode dar aquela cambada de ignorantes.

Alguém da imprensa lhe perguntou se iria correr o circuito todo este ano, para tentar o regresso ao WCT, ao que ele respondeu negativamente, alegando que tinha mais que fazer, como tomar conta do novo filho, e que aquela prova era só para curtir uns tubos em pipe!

Mais uma vez, a elegância não se cria, nasce com as pessoas... ou não.

Abraços lusos,

MP

Anônimo disse...

Obrigado Miguel.
Abrazzos
Julio

Anônimo disse...

É impressionante como funciona uma analogia, mas para aplicá-la se faz necessário um tanto de conhecimento, sabedoria e mais uma pitada de talento.
Meus parabéns.

R. Viegas disse...

o Neco é foda, só surpresa. e o texto soberbo...