sexta-feira, novembro 04, 2005

Manual de redação



Enquanto seu Lobo não vem com o swell, a turma sai como pode do labirinto de (des)informação.
O sonho de miss de todo jornalista aprisionado na Ilha da magia é dar de cara com Elslator e La Bundchen, com trema, dividindo uma bela garrafa de vinho de segunda em restaurante de terceira.
Alguns, aflitos com falta de pauta, superam-se criando a pauta da falta de pauta.
Enviado de grande representante da imprensa carioca, mais cego que perdido em novela de faroeste da platinada, bosteja sem medo do dia de amanhã - ninguem dá bola mesmo pra surfe no jornal onde trabalha.
'Escreve qualquer merda', orienta o chefe de redação de periódico esportivo, surfista não sabe ler e os que sabem, leêm revista de surfe, dá no mesmo.
Aqui, no parágrafo acima, a porca torce o rabo.
O surfe não tem uma cobertura decente na imprensa impressa porque está sempre aborrecido ou está sempre aborrecido porque não tem cobertura decente ?
Quer dizer que falta de ondas é manchete ?
Temos 48 surfistas disponíveis para um papinho furado, assessor de imprensa e tudo, fotógrafos, empresários, gatchinhas, organizadores, mudelo e manequim atravessando a rua pra lá e pra cá, os incasáveis baba-ovo(s) da A.B.O.G., os sempre solícitos aviõezinhos, toda sorte de gente que orbita um Dabliúcetê e nada de assunto.
'Como tem sido seu ano, fulaninho ?' Pergunta circunspecto o repórter de testa franzida.
'Dei essa resposta para o cara de boné, tatoo gigante no braço e camisa da Hinano nem faz 5 minutos.' Responde entediado o tope 36 sem alterar o tom de voz.
'Suas expectativas pro futuro?', sorri vitorioso o pobrezinho...
'Pergunta pro baixinho de óculos Chips e costeletas ou pro magrelo de cavanhaque e piercing que eles acabaram de fazer a mesmíssima inquisição...' replica o gringo sem olhar pro malandro e emenda, 'Se quiser saber mais alguma coisa, passa no quarto com uma mutuca de fumo ou poeira e depois a gente vai pra noite', pelo menos o cara arranha um inglês, pensa cá com seus botões o camarada de nome difícil.
O rosto do repórter ilumina-se.
Enquanto o próprio surfe não se levar a sério e exigir cobertura decente dos grandes veículos, o esporte não sobe o degrauzinho de um tênis ou volêi.
Nem o saite exclusivo do campeonato se dá ao trabalho de realizar uma única entrevista fora do protocolar bê-a-bá do jardim de infância.
Não há, repito, não há imprensa séria envolvida com o surfe no Bananão.
Ficamos na periferia dos deslumbrados.
Estamos tão bêbados de gratidão pelos idolatrados 44 estarem aqui, sim aqui, na nossa imensa e humilde choça, que nos basta.
Pronto.
Somos puro regozijo pela enorme gentileza que nos concede a ASP em permitir que nós, singelos terceiro-mundistas, possamos desfrutar da companhia de vossas altezas do reino do WCT.
Não os trataremos, portanto, como humanos, devemos nos portar com submissa reverência e jamais parar de sorrir enquanto na presença de alguem que fale idioma distinto do nosso - o que exclui os portugueses de tal comportamento, evidentemente.
Jamais contrariar ou discordar de um surfista ranqueado nos 120 primeiros lugares dos rankings combinados WQS e WCT, contanto que não fale português.
Evitar emitir opiniões.
Escrever sempre idade, local de nascimento e colocação atual, usar Google, perguntar ao colega da cadeira ao lado.

8 comentários:

Anônimo disse...

tá dito.

Anônimo disse...

GROW IT YOURSELF!

Giovanni Mancuso disse...

Júlio, quero assinar embaixo. Onde assino?

Professor Pasquale disse...

"acessor"??
"emquanto"???

Julio disse...

consertado Pasquale, grato pelas correções sempre bem vindas.

Anônimo disse...

é, júlio, o engraçado é que esse que te criticou em inglês não tem coragem de se revelar, por que será??? realmente não tem crítica nenhuma, mas deveria tb incluir a cobertura televisiva, que vê boa performance em qualquer um, e tb nunca critica ninguém, e trata todos os brasileiros como se fossem candidatos ao título do wct, sempre alisando e não mostrando as deficiências de nossos tops brazucas tratados como deuses. lembro de uma vez no camerasurf quando critiquei o desempenho dos brasileiros no tour e recebi emails indignados de dirigentes e atletas. tem um, o paulo moura, que até se recusou depois em falar com o camerasurf de novo. e o desempenho desse ano, com os brazucas lá embaixo no wct? pq ninguém critica? abração, zé augusto

bruno Ryfer disse...

fazer o que, falar o quê?
Imbituba é imbitchûba pros deuses estrangeiros... a garrafa de vinho -de segunda ou terceira - aparece em programa de culinária matinal, o Brasil tem ou não tem onda?
A cobertura de revista, de saite, cobertor de medingo, cobertura encoberta a la Bunchen, com ou sem trema, é pelo pretenso apelo de vender as ondas. ou a falta delas.
Tomara que aquela, onipotente, onipresente - que uma vez falou que surfista só conhece algumas poucas palavras - se pronuncie.

Anônimo disse...

prepara o "tv pirata 2".....se não viu se amarre na poltrona e assista a reprise por mais que machuque, o "bola da vez" com o KS na espn brasil....rapaz, que tristeza, quanta demonstração de descoeficiencia mental dos "experts" em surfe do brasil...

trisesa