quinta-feira, março 31, 2005

Malandragem e o seguinte

[O convite veio do Zé, meio tímido, para escrever umas bobagens num saite novo que tratava só de surfe e arredores na grande rede de informação. Gostei da idéia de fazer uma carta-coluna, sempre endereçada ao Zé das Couves, chamando de 'Malandragem é o seguinte' que é uma forma simples e carioca de começar qualquer assunto.
Os textos tinham a liberdade da absoluta falta de compromisso - pode chamar, sem medo, de inocência.
Abaixo uma daquelas crônicas, datada de 2000, do jeito que foi.]


Elogios...
Zé das candongas! Acordei hoje com uma vontade de sorrir imensa. O motivo desse sorriso frouxo, logo cedo, era o livro do uruguaio Eduardo Galeano (1940, Montevidéu,Uruguai) “De pernas pro ar” (L&PM,1999). Não que o livro nos dê muitos motivos pra sair por aí rindo feito bobo.
Muito pelo contrário.
Um bom livro sempre inspira a leitura de outros, então fui na prateleira buscar o “Livro dos abraços” ( L&PM,1989) desse mesmo autor,pra iluminar a cachola.
Na quarta capa, o motivo do fascínio que tenho pelo homem desde algum tempo quando, em Cabo-frio na casa de um amigo do peito, dei com os olhos no conto que reproduzo agora em homenagem a meia-dúzia de três ou quatro leitores que perdem precioso tempo lendo minhas mal traçadas.

A Função da arte/1

Diego não conhecia o mar.O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar.
Viajaram para o sul.
Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando.
Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos.E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza.
E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai:
- Me ajuda a olhar!

Poucas vezes tive a oportunidade de ler algo tão próximo da experiência do surfe em nossas vidas.
O menino somos todos nós, surfistas, com nossa infância eternizada no olhar daquele moleque.
Galeano escreve na revista “Bundas”, eventualmente, e tem um belo editorial nas bancas com “Caros amigos” extraído do já citado “De pernas pro ar”.
“A arte...” é um elogio pra essa rapaziada.
Valeu Zé !
aquele abrazzo.
Julio

P.S.:
Essa coluna deve ser lida com lentidão,acompanhada de uma música leve (pode ser Taj Mahal, Astrud Gilberto ou Air...), de preferência deitado numa rede (mas vai ter que imprimir...).

Nenhum comentário: