sexta-feira, setembro 03, 2004

O Olhar do Galeano



[Texto da série Maladragem é o seguinte, publicado no camerasurf.com, 2000]


Elogios...
Zé das candongas! Acordei hoje com uma vontade de sorrir imensa. O motivo desse sorriso frouxo, logo cedo, era o livro do uruguaio Eduardo Galeano (1940, Montevidéu, Uruguai) De pernas pro ar (L&PM, 1999). Não que o livro nos dê muitos motivos pra sair por aí rindo feito bobo.
Muito pelo contrário.
Um bom livro sempre inspira a leitura de outros, então fui na prateleira buscar o Livro dos abraços (L&PM, 1989) do mesmo autor, pra iluminar a cachola.
Na quarta capa, o motivo do fascínio que tenho pelo homem desde algum tempo quando, em Cabo-frio na casa de um amigo do peito, dei com os olhos no conto que reproduzo agora em homenagem a meia-dúzia de três ou quatro leitores que perdem precioso tempo lendo minhas mal traçadas.

A Função da arte/1

Diego não conhecia o mar. 
O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar.
Viajaram para o sul.
Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando.

Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza.

   E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai:
- Me ajuda a olhar!

Poucas vezes tive a oportunidade de ler algo tão próximo da experiência do surfe em nossas vidas.
O menino somos todos nós, surfistas, com nossa infância eternizada no olhar daquele moleque.
Galeano escreve na revista Bundas, eventualmente, e tem um belo editorial nas bancas com Caros amigos extraído do já citado De pernas pro ar.
A arte... é um elogio pra essa rapaziada.
Valeu Zé !
aquele abrazzo.
Julio

P.S.
Essa coluna deve ser lida com lentidão, acompanhada de uma música leve (pode ser Taj Mahal, Astrud Gilberto ou Air...), de preferência deitado numa rede - mas vai ter que imprimir...

3 comentários:

Anônimo disse...

ae, julio, esse texto que um dia conheci naquela sua coluna antiga especial já inspirou muitas aulas de redação. a molecada pira e escreve com o coração. grande abraço, zé, tentando se readaptar depois de uns tempos de sonho com os Jogos e o ultra simpático e acolhedor povo grego.

Cuze disse...

deu-me vontade de ler esse autor! - belas palavras. Eduardo Galeano, tá marcado!!:D

marcelus disse...

inda bem que tem alguém traficando informação salgada na rede...
brazzos