sexta-feira, março 20, 2009

Naquela noite Shaun Tomsom falou assim


Elegancia não se encontra na farmacia

[Tempestade em copo d'agua>Revista Surf Portugal # 189>Dezembro 2008]
Já tinha visto o filme.
Sim, eu sei que não deveria mas não fui capaz de resistir - a curiosidade era mais forte que uma dor de barriga no México (famoso mal de Montesuma).
Fiz pior.
Chamei amigos e abri cervejas- celebrei até!
Um acinte, concordo.
Chegada a hora, dia 07/12/08, Shaun Tomsom esteve aqui apresentando o Bustin Down The Door numa pré-estréia no Claro Open Air que, como nome indica mas não revela, é um cinema a céu aberto no Joquei clube do Rio de janeiro, logo ali na Gávea, com vista pra Lagoa Rodrigo de Freitas.
Todo floreio daria com os burros n'água pra descrever a beleza da paisagem, mas isso não é importante.
Sentamos na escada, todos lugares tomados, e aguardamos a entrada do primeiro campeão mundial que realmente importa (quem dá bola pro PT ?).


Veja o filme e leia o livro

Shaun é um lorde, duma serenidade contagiante, fala mansa, pausada, o seu sotaque sul-africano acentuando o tom aristocrático das palavras que lhe brotavam da boca como seu ataque em Pipe no início da carreira, certeiro, pontual.
Em menos de 15 minutos conversando com a platéia, Shaun fez mais pelo surfe brasileiro do que toda imprensa junta nos últimos 15 anos.
Bastou uma palavra para Shaun demolir uma expressão que por aqui vendeu muita bermuda e camiseta.
Durante muito tempo fomos refens do misticismo da expressão soul para traduzir tudo que não somos capazes de explicar na relação que temos com o Mar.
Desconfiava do jeito etéreo do termo traduzido corretamente para 'alma'.
Como um sinônimo de espírito podia servir a tantos senhores, quase todos eles de olho na minha (e na sua) carteira ?
Alma do negócio, né ?
Foi quando naquela noite Shaun Tomsom falou assim: Espero que todos aqui se imaginem com 19 anos, com um sonho. Tínhamos todos essa idade na época e fazíamos tudo com o coração. Sempre surfei com o coração. Sempre fiz tudo com o coração...
Lembrei do poema do russo goiabão e suicida, Mayakovsky, dizia assim:
Dizem que o sentimento vem do coração
que habita o lado esquerdo do peito do homem.
Mas, em mim a anatomia virou loucura
Sou todo coração.

Tomsom, Curren, Dora, Slater ou Irons tem em comum a anatomia enlouquecida, assim como eu e voce, uma coisa mais carnal, mais pulsante e coerente com as sensações que experimentamos quando possuídos pelo sal.
Achei tão adequado aquele camarada ali na minha frente, com toda sua história no esporte e fora dele, tantas conquistas e tantos fracassos, cada um deles vividos intensamente, toda vez tentando buscar algo que pudesse ajudar o próximo a superar os obstáculos, aquele surfista sagrado na nossa mitologia, falando em coração, não em alma ou espírito, mas em paixão dura.
Toda paixão é dura e o surfe é impiedoso com os fracos.
Shaun foi aplaudido entusiasticamente pela comunidade de surfistas que ali estava para prestar sua homenagem ao homem que nos ensinou a andar por dentro do tubo.
O tempo dilata-se dentro do tubo, disse Shaun em 76.
Com seu filme (e livro, não deixem de comprar!) Bustin Down the Door, ele insiste em afirmar que voce faz o o que quer com seu tempo - no tubo, fora dele.
Contanto que seja feito com o coração.
Pode parecer uma coisa meio piegas (e é), surfistas são piegas, já repararam ?
Shaun não tem vergonha de nenhum aspecto do surfe que seja embaraçoso, orgulha-se de cada um deles e nos empresta esse orgulho besta em tudo que mete a mão.
Um amigo queixou-se do filme, o analisou de maneira fria, quase triste, destacando-lhe as falhas de roteiro, as extensas entrevistas, um aborrecimento.
Tem pego onda ? perguntei.
Esse filme é restrito para surfistas, desculpe-me.
Por vezes fazemos umas coisas assim, restritas.
Não fará sucesso fora do circuitinho de praias.
Que mal tem isso ?
Surfistas escrevem livros para surfistas, fazem filmes para surfistas e pronto, simples assim.
Somos auto-suficientes pr'essas merdas.
Afinal de contas, foi tambem ele que confessou numa entrevista nos anos 80:
Todo surfista que conheci tem um arzinho superior de alguem que sabe alguma coisa que os outros não sabem.
Parecem achar que são superiores aos meros mortais.
Quer saber ?
Eu tambem acho.



E tem mais, Bugs, pare de beber tanto e fazer aquelas poses estranhas na frente do espelho...

21 comentários:

Andre Costa disse...

Tem pego onda?

Sem dúvida a melhor expressão que li no blog nos últimos tempos. Essa indagação é quase uma afirmação e resume qualquer discussão sobre surf.

Boa !!! Tods nós antes de sentarmos aqui para escrever devemos nos perguntar isso antes de qualquer coisa !!!

Anônimo disse...

Muito bom texto Julio,

Meus parabéns!

Uma pena que eu não saiba tirar tubos como o Tomson e tampouco escrever como vc.

Um abç

Anônimo disse...

estive lá neste dia pra dizer que o relato do Dr. Adler tá bem direitinho... foi isso mesmo que aconteceu.

Só faltou dizer que o cara cumprimentou todos que foram falar com ele após o filme...
Inclusive um bando de mocinhas na faixa dos 25 que não sabiam que havia um outro coroa bonitão no surfe sem ser o Carlos Leite.

marcelus disse...

Bela pedrada julin!

O que ele disse antes do filme começar, na minha opinião, foi melhor até que o próprio filme. Mas o filme é bom pacas!
Abs,

Anônimo disse...

o filme é muito bom...esses caras realmente eram muito fodas.....confesso que no final eu estava com lágrimas nos olhos......e vamos surfar né....

Anônimo disse...

Ótimo texto...

"Parecem achar que são superiores aos meros mortais"

Tem razão, basta perceber campanhas publicitárias, aonde o surf é envoldido em tudo que faça sonhar, viajar e esquecer a realidade cruel.

Aliás o filme(by pedr1nho) é irado.

Abs.

Brodi

DARS disse...

Corro e lanço um vírus no ar
Sua propaganda não vai me enganar
Como pode a propaganda ser a alma do negócio
Se esse negócio que engana não tem alma
Vendam, comprem
Você é a alma do negócio
Necessidades adquiridas na sessão da tarde
A revolução não vai passar na tv, é verdade...

Dinho Amaral disse...

Que dia foi aquele ! O cara é demais ! atencioso , educado e etc...um idolo ! eu gostei do filme , um tema bem especifico , mas marcante para o que se tornou o surf hoje em dia....parabéns pela narração no Hang Loose

valeu

Dinho Amaral

Barba disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Barba disse...

O mercado do surfe é realmente para surfistas, você foi perfeito Julio. Querer que o WCT atenda a massa é olhar apenas para o bolso e não se preocupar com a evolução do esporte.

mundosalgado.blogspot.com

marcelo passos disse...

parabenssss julinho!!!!!
a ediçao do filme fico d+!!!
como sempre como em todas as coisas que vc faz fico d muito bom gosto

abraço e boas ondas
marcelo passossss

CAKISSES disse...

eh isso ai... tem gente q nao entende e fica puta com a nossa pequena "prepotencia". mas a verdade é essa!

e é preciso olhar mais para esses caras com ST, Rabbit e MR, pq eles sim são de uma época onde o coração era maior que o dindin e a marca na camisa!

Bodhi disse...

O filme realmente é foda. Não achei os depoimentos tao ruins como seu amigo jornalista, pelo contrario, as entrevistas são a "alma" do filme. A postura agressiva do Ian Cairns (é assim que se escreve?) foi muito manera de assistir, aquela atitude aussie onde até as garotas arrotam. Saber que o Rabbit passava perrengue familiar, que o choro do proprio Shaun era legítimo (associei com o suicidio do filho), o estilo educado e respeitador do MR, que nunca lhe impediram de ser um grande competidor e principalmente a atuação do Eddie Aikau naquela confusão toda tornam um filme necessario para qualquer surfista que goste do CT.

Surf4ever disse...

Beleza de texto.
Me fez lembrar do que li uma vez sobre Phil Edwards, o primeiro cara a surfar - e responsável por batizar Banzai Pipeline, em 1961.
Odiando ser idolatrado e constrangido em ter que ficar dando autógrafos, toda vez que alguém o aborda para dizer que ele é um ídolo, um exemplo de vida, que inspirou muitas gerações, ou fazer qualquer outro tipo de elogio, o californiano Phil Edwards sempre responde humildemente que não, que não é verdade, largando na mesma hora a pergunta crucial: “Are you still surfing?”.
Falou,
Gustavo

Anônimo disse...

Adorei o filme... É muito bom.
http://palavrascomsal.blogspot.com/

Anônimo disse...

alguém ai sabe onde consigo comprar o livro?????????????

abraços

rodrigo rozenbaum disse...

O livro realmente eh muito bom.
Leitura essencial para todos os amantes do surf.
Abs.

http://www.rodrigorozenbaum.blogspot.com

Barba disse...

Mais uns 5 como ele no comando da ASP e tudo seria diferente.

http://mundosalgado.blogspot.com

falothau

Anônimo disse...

Tanks a lot Marreco!!!
Vc é como vinho malaco, qto a Anita, foi uma deusa entre deusas....qto ao Tomson,q conhecemos ao vivo, assino embaixo. Um figura q usava MOCASSINS, nas surf trips e sempre elegante dentro e fora dágua.Good job e chega de babação.
Abçs, Castro Pereira

Anônimo disse...

Fala irmão!!!
Volto a babar e goiabar,lembrando que surfistas fazem coisas para surfistas.Is true! No book q termino, vc é personagem real, entre muitas histórias e personas.Mas quero aqui é desafiar sua veia de escriba, para o final da tal novelinha global(tres manas)O Q O SURF GANHOU C/ELA???Abçs, Castro do sul

ana maria santeiro disse...

gostei muito do seu texto. A impressão do Shaum é essa mesma.
bacana.