quinta-feira, dezembro 04, 2008

A tirania da experiencia

[Tempestade em copo d'agua>Revista Surf Portugal # 188>Setembro 2008]


Como é mesmo o nome dele ?

Estamos em setembro, dos 10 primeiros no ranking do WCT em 2008 apenas um (Mineirinho) tem menos de 25 anos.
Alguma coisa está fora da ordem.
Nunca investiu-se tanto na garotada.
Meninos de 12/13/14 anos ilustram mais de uma campanha publicitária nas publicações americanas.
Novos Slaters surgem todo dia com promessas tão improváveis quanto impossíveis de cumprir.
A constatação é aterradora: A ASP envelheceu.
Ou talvez todo sistema (?) acumula teia de aranha.


Anota aí: mais dois desse e ja podemos começar a beber.

O show de Dane & Jordy não emplaca no circuito, Bruce, sempre tão festejado, avisa que vai abandonar e finalmente, depois de quase 15 anos tentando entre WQS e WCT ganha um evento fora de casa.
Bruce esteve aqui no Rio em 1994 para o mundial amador e deixou todos de boca aberta com a quantidade absurda de talento numa pessoinha minúscula daquelas.
Andy prometia, mas Bruce assombrava.
No maior dia de competição, aquele pingo de gente, Bruce com 14 anos, fez coisas que nunca mais vi menino nenhum repetir.
Bruce tem um mísero top 10 na sua carreira (sem trocadilho), justo em 2005, ano da redenção do Kelly Slater.
Slater é o único elo entre o topo do ranking de 2008 e o top 10 de uma década atrás, com o detalhe que KS já tinha ganho 6 títulos e decidira abandonar o circuito para dedicar-se ao projeto da Quiksilver de exploração do globo atrás de ondas, the Crossing- tudo isso com 26 anos.
Fora o freak, dos top 10 de 1998, apenas Mick Campbell e Danny Wills continuam na ativa e Sunny ensaia uma volta pro WCT.
Voltemos 20 anos somente pelo exercício.
1988, Barton Lynch campeão mundial, 25 anos, cinco entre os top 16, vice do Curren em 85.
Em segundo, Damien Hardman, 22 anos, campeão mundial no ano anterior, sete absurdas vitórias em um único ano (total de 24 etapas, era pré-WCT).
Carroll, o veterano bi-campeão mundial em terceiro por uma fatalidade, desatenção da justiça divina que deixou o maior surfista da década em Pipeline perder um título certo por causa duma interferência de remada em cima do novato Todd Holland.
Carroll tinha 27 anos em 1988, surgira para os top 16 em 81 em nono (oitavo era um garoto de 15 anos, Martin Potter) e lá permaneceu até 1991.
Quarto e quinto, Derek Ho e Gary Elkerton, ambos 24 anos de idade.
Em 2008 Bede é o único com 25 anos entre os top 5, parece pouco para um investimento tão maciço na juventude dourada, e é.
Jeremy deve melhorar sua posição na perna européia e pular para os top 8, Jordy & Dane são instáveis e podem conseguir qualquer coisa, de primeiro a trinta tres, num piscar de olhos. O problema é que os olhos estão menos abertos do que deveriam.
Já escrevi outras vezes que o jogo é duro e é fundamental para a garotada aprender a jogar se quiserem não apenas entrar nos 44 mas lá permanecer.
Tirando Bede e Mineirinho, que sempre estão dispostos a dar tudo de si para vencer, todo resto espera uma configuração cósmica que lhes entregue um título de mão beijada.
Fanning enxergou isso, trabalhou feito um operário e conseguiu o seu.


Querem saber de que ri Jordy ? Uma milha e meia de verdinhas/ano. E o título, vem quando ?

Por implicância, vamos dar uma olhada no top 5 de trinta anos atrás...
Nosso estimado presidente Wayne Bartholomeu ainda era mais conhecido como Rabbit e aos 24 anos consagrou-se número um do mundo, logo após seu suado e chorado vice em 77 para Shaun.
Um sardento de recem completados 18 anos, Cheyne Horan, terminou em 1978 atrás do Rabbit numa impressionante série de quatro vezes vice campeão mundial 1978/79/81/82- interrompida gentilmente por Dane Kealoha em 1980.
Michael Ho, irmão mais velho do campeão mundial de 93, foi terceiro, Shaun Tomsom quarto e PT em quinto.
Tinham, 24, 23 e 25 anos, na ordem.


Com quantos Danes se faz um Slater ?

Pô, Taj Burrow já é um senhor de trinta anos! Nada de título.
Joel e Mick, 27 cada.
Joel, neca de pitibiribas.
Deixemos Slater fora dessa por motivos óbvios.
Cade o espantoso frescor da adolescência ?
Por Netuno, teremos um circuito tão cruel e injusto com esses rapazes ou a turma fica cada vez menos resistente às perversidades da competição ?
Por que Jordy & Dane, Dane & Jordy, insistem em se provar diante de surfistas que eles tanto desprezam, alguns deles com o dobro das suas idades ?
Pelo andar da carruagem, nos próximos tres ou quatro anos, salvo uma escorregadela aqui, outra ali, nada mudará nas primeiras colocações do WCT.
Andy, Joel, Taj, Mick, Hobgoods, Bobby, Bede, envelhecem com o circuito, logo ali na frente estarão todos com mais de trinta anos.
Alguem precisa acabar com essa tirania.


Jordy Smith Surfs the North Shore >>




6 comentários:

Viva La Brasa disse...

Marreco matador! Muito sagaz...
O Kelly assinou seu 1º contrato milionário c/ a Quiksilver em 1991 e no ano seguinte tornou-se o mais jovem campeão mundial... Naquela época a mídia já buscava um "novo Curren", do mesmo jeito que buscam hoje o "próximo Slater"...
O surf profissional amadureceu (envelheceu?) e KS é um gênio atemporal, do mesmo jeito que se fala em estagnação no skate atual mesmo c/ caras inovadores (e cada vez mais velhos) como Bob Burnquist na cena...
Mas acho que o problema está no mundo de hoje mesmo, tudo fácil demais! É só ver na música, no cinema, na política, enfim, como disse meu chapa Mozine, "hoje em dia tá todo mundo meio bundão mesmo"...

Gabiru disse...

Solução pro Brasa: tragam o Bronco de volta por WCT!

Sds,

Gabiru

Anônimo disse...

Viva o surfe!!

Consegue subverter a sociedade do espetáculo!!!

Num país de 200 milhões de surfistas não consegue ter uma cobertura minimamente alguma coisa para deleite dos seus aficionados, que ainda sofrem a concorrência desleal do sextime no horário nobre dos esportes radicais na telinha tupiniquim.

Dá mais ibope passar a terceira divisão entre arrancatoco versus quebracanela, tanto é que o Vasquinho tá querendo chegar lá!!

Anônimo disse...

Realmente está demorando a ter uma molecada abusada pra dar uma mexida no wct e botar medo nos medalhões como em outros tempos. O KS a cada ano que passa conquista o título com mais antecedência e nem deixa a decisão para pipe como antigamente.

A estagnação do skate vertical já não é de hoje e a modalidade só sobreviveu por causa dos X-Games. No street skate a renovação tem sido constante com muitos nomes novos.

É engraçado que no surfe o pessoal na maioria das vezes só valoriza o cara com resultados nos WCT questona os free surfers se estes não tiverem resultados expressivos em competições. No skate acontece o contrário com os vídeos e "sessions" sendo muito mais importantes que qualquer campeonato. A Thrasher e a Transworld Skate por exemplo nunca publicam uma linha sequer sobre os X-Games e Dew Tours.

Agora esse Pipe Masters tá parecendo aqueles jogos entre times que não tem chance de título e nem correm risco de rebaixamento...

Anônimo disse...

A diferença que vejo entre o passado e o presente é tão somente a longevidade dos surfistas profissionais. Se antigamente o bom surfista profissional pendurava a cordinha às vésperas dos 30 anos, hoje, parece que o auge é justamente esse momento, podendo o atleta competir muito bem até uns 35 anos. Isso é que me parece determinante para o "atraso" na consolidação de novas carreiras. Mas podem apostar: esses que foram citados como "atrasados", ao tomarem a ponta, também ficarão por lá até a metade da casa dos 30, pra infelicidade dos furutos novatos.

Ricardo disse...

Gostei!Fazendo um paralelo, aqui na minha praia acho que o Trekinho vai continuar sendo o melhor surfista até seus oitenta anos.Todo mundo anda com camisa e bermuda de surfe e as marcas dos surfistas da nova geração, como Addict, Lanho e Bintang não se identificam como marcas de surfe.É um fenômeno que está acontecendo aqui tambem,a nova geração virou celebridade do surfe sem precisar provar nada e só se assumem quando é conveniente. Criaram um atalho e viraram estrelas.
abraço
Lobo