sexta-feira, setembro 05, 2008

Fausto Wolff 08.07.1940 - 05.09.2008



Millôr o definiu assim: 'Em toda parte procurou e conviveu com os da sua estirpe, escritores, cineastas, poetas e grã-finas. E com os da sua laia-bêbados, putas e brigões.'

Leia aqui sua última crônica.

11 comentários:

Anônimo disse...

Vai fazer uma puta falta.

Anônimo disse...

Me admira ver por aqui homenagem a um homem que já declarou, explicitamente e mais de uma vez, idéias anti-semitas.


Virou zona, Adler?

Anônimo disse...

É claro que é Zona, gênio anônimo. Zona, Brincadeira, Goiabada, entende?

Fausto escrevia o que pensava, independente do "politicamente correto" dos dias bobos de hoje.

Tem uma lista de livros dele na rede. Se encontrar idéias anti-semitas, por favor, publique-as. Eu li 8 e não vi nenhuma.

Não o conheci pessoalmente mas, pelo que li em seus livros, era um sujeito que acreditava em muita coisa que pouca gente acredita. Vai fazer falta pra mim.

Abraços

Bruno R. disse...

Fausto já escreveu, entre outras crônicas, besteiras e mais besteiras sobre o povo judeu, Israel, e por ai vai. Ele era esperto, e, como tal, não ia mandar ver um "eu sou anti-semita" de cara.


De tanto falar besteira, quase foi mandado embora do JB por conta do Anti-semitismo incutido em seus devaneios. Só não foi pq o Jota na época passava por mais uma de suas crises e não podia demitir ninguém.

Mas Fausto teve sua coluna diária reduzida para três vezes na semana, e depois, para duas.

aqui vai uma das mil fontes que o leitor pode pesquisar.

http://www.visaojudaica.com.br/Novembro2005/artigos/9.html

E vamos nessa que o intuito disso aqui é surfar.

Julio Adler disse...

Bruno e cia,
Fausto era tão anti-semita quanto Amos Oz ou Eran Riklis (do magnífico Lemon Tree).
Vou deixar o próprio Fausto responder pr'oces:

' (Sionistas) Perseguem-me desde que escrevi um livro chamado Palestinos, Judeus da III Guerra Mundial, no qual defendo o direito de os palestinos terem sua terra e não a favela onde hoje são obrigados a viver sob constantes ataques israelenses. Este foi outro motivo de eu ter permanecido tanto tempo fora da grande imprensa. Logo eu, cujo segundo romance, O Campo de Batalha Sou Eu, posfaciado por Alberto Dines, foi o primeiro no Brasil a ter um protagonista judeu. A esquerda israelense quer viver em paz com a Palestina.
A direita israelense e os judeus que vivem fora de Israel é que não querem. Tratam o conflito como se fosse um jogo de futebol no qual torcem pelo seu time. Em guerra se torce por quem tem razão e a razão está ao lado dos palestinos. Não aceito o insulto de anti-semita, pois não sou contra etnia alguma. Uma comissão de sionistas esteve no JB pedindo a minha cabeça. Como coincidiu de a direção do jornal decidir diminuir o número de páginas no Caderno B, tive de parar com o [Nataniel] Jebão e escrever minha coluna apenas três vezes por semana. Li na Internet que os sionistas pensam que isso se deu por causa deles, mas foi pura coincidência. Alguns dos meus melhores amigos são judeus e anti-sionistas. Pergunto-me o que meus ídolos Jesus Cristo, Marx, Freud e Einstein, todos judeus, diriam de uma figura como Ariel Sharon.'

Pra não esquecer, Fausto tinha coluna diária no JB.
Abrazzo

Bruno disse...

Julio, direito de resposta até Hitler tinha. A diferença de pessoas "inteligentes" é que ele produz uma mentira tão convincente que parece verdade.

Esse video do Youtube, da Folha de São Paulo, é um ótimo exemplo.

http://www.youtube.com/watch?v=pY4FCKlQISA&feature=related


Mas chega, o Heitor alves ta correndo a bateria agora.

Viva La Brasa disse...

Também acho uma puta sacanagem o que Israel faz c/ a Palestina... Se tiver tempo, tb vou postar uma homenagem ao velho "anti-semita". Heheh...

viva la brasa (parte 2) disse...

A propósito, recomendo os 2 livros "Palestina" do cartunista americano Joe Sacco, sobre o tema. O engraçado é que os israelenses voltaram p/ a "Terra Santa" depois do genocídio nazista, e agora eles promovem seu genocídio particular aos palestinos. Como diria o Marx (judeu), a história se repete: "Aquilo que originalmente acontece como tragédia se repete posteriormente como farsa".

Anônimo disse...

pseudo jornalistas: é preciso ir para Israel para saber o que está acontecendo lá. Palestinos tem tudo o que precisam, e so destroem o proprio lugar onde vivem!
Mas continuem com o pensamento pequeno mesmo, pagando as milicias e achando ótimo.

Elsantista

VxLxBx disse...

"Palestinos tem tudo o que precisam"... Hehehehehe... Essa foi boa.

vxlxbx disse...

Repetindo o que o Júlio escreveu sobre o Jihad (por coincidência, muçulmano): "Seria cômico se não fosse trágico".