sábado, outubro 20, 2007

Discoteca goiaba do surfista desatento II




Change Today ? - T.S.O.L. (1984) Enigma Records, California, EUA

Foi uma revolução - barulhenta!
Ainda hoje me pergunto como cabia tanta gente dentro daquele quartinho.
Sentados na cama, deitados no chão, de pé encostados na parede, acocorados, de todo jeito a turma se ajeitava para assistir a novidade: vídeos de surfe.
De repente, como num passe de mágica, o cinema vinha até em casa e assentava-se na TV do quarto (ou da sala ), o ritual permanecia com seus códigos e esquisitices.
Não há surfista que sobreviva aos primeiros acordes de Flowers by the doors do T.S.O.L.
Os fãs dessa banda de Long Beach, Califórnia, desprezam profundamente os anos de 1984 até 1990 quando a alma da banda, o vocal e guitarra Jack Grisham saiu e Joe Wood entrou em seu lugar.
Aqui entra um papo purista de punk hard-core contra as diferentes manifestações que estavam sendo criadas em torno do tema punk na época, uma pendenga parecida com a suposta briga entre pranchinhas, pranchões e saboneteiras - sem eira nem beira.
Resumindo: dum lado acusavam o True Sounds of Liberty de ficarem pop demais e do outro, estávamos nós, bando de vagabundos de short apertado, olhos vermelhos e ouvidos atentos que não ligavam pra nada, exceto Occy, Curren, Carroll, PK, Chris Brown, MR, Kong, Jason B., Nicky Wood, Luke Egan, Gary Green, Munga, Occy, Occy e Occy...
Justamente a fase dita pop, ou glam, ou gothic, ou qualquer outro rótulo de super-mercado, justo essa fase maldita ficou mais grudada em nossos ouvidos que cera.
No filme-marco, Billabong surf into the summer, de 1987, a trilha sonora virou uma verdadeira febre nos estacionamentos próximos dos lugares mais populares para surfar nos 4 ou 5 anos seguintes e o T.S.O.L., com o hino Flowers by the door tocado repetidamente antes e depois de cada surfada, do Havaí ao Brasil, passando por toda Europa, Japão, Indonésia e onde quer que houvesse um surfista empolgado.
Change today ? não é um disco brilhante, longe disso, tem no máximo umas 4 faixas realmente especiais e justo por isso devemos prestar mais atenção nele.
Como num dia de ondas grandes e difíceis, é preciso escolher a faixa com cuidado para não comprometer uma montanha de expectativas num dos mais explosivos acetatos de sempre.

PS - Os albums que essa odiada formação do True Sounds of Liberty lançou em seguida ao Change Today, Revenge (1986), Hit and Run (1987) e Strangelove (1990) formam uma pequena discoteca básica do saudosista duma época de ouro dos vídeos VHS de surfe.

Um comentário:

VHNVN disse...

Sei não, mas ainda acho que as melhores baterias rolaram no ambiente "Hit and Run"!!