quarta-feira, julho 21, 2004

Sob encomenda


A lenda cresce


Cassius Clay surra Sonny Liston
Miami, 25 de fevereiro, 1964

‘A reputação de ogre invencível era merecida, enquanto Clay era considerado um impetuoso, quiçá talentoso, lunático que assinou sua sentença de morte quando chamou ao campeão de ‘urso feio e velho’ (ao pé da letra, velho fedorento, por aí…).
Antes mesmo do campeonato se definir e Clay ainda era apontado como desafiante, Liston disse: ‘ Se eles fizerem essa luta eu vou em cana por assassinato’.
A turma de Clay tinha dúvidas enormes tambem.
Durante a tensão pré-luta, seu médico estudou mapas, procurando pelo menor caminho para o hospital mais próximo.
Mas Clay, com sua promessa de ‘flutuar como uma borboleta e picar como uma abelha’ ( digamos que queira dizer exatamente isso), falou a verdade desde o princípio.
Ele ganhou o título mundial de pesos-pesados na idade de 22 anos, quando um ensanguentado Sonny Liston, ombro deslocado, foi incapaz de levantar- se do seu corner para atender o sino do sétimo round.
Dos 46 jornalistas esportivos que faziam a cobertura, apenas tres apostavam numa vitória de Clay.
O novo campeão do mundo dos pesos-pesados bradava, do alto do ringue, para eles: ‘Engulam suas plavras!’.

O texto acima, emocionante, de Oliver Irish para a coluna 10 mais do Observer esportivo, é exemplo de cuidado com a história do esporte.
Provável que boxe não seja estilo de vida, nem moda de adolescentes, mas tem uma riqueza literária sem igual.
No Brasil rareia cada vez mais bons textos na especializada.
O jornal Staff foi tão importante para a educação dessa geração, de 28 anos pra cima hoje em dia, quanto as crônicas do Nélson Rodrigues tornaram-se referências para a turma da crítica esportiva atual.
Fred D’orey, do alto do seu ego gigantesco, permitiu a ascensão de gente nova que começava a escrever e reclamar por coisas que as revistas preferiam ignorar.
Assim foi com Ricardo Lobo, Pepe Cézar, Rosaldo, Zobaram – até Giorgio Virzi teve sua chance com um debate!
Tambem comecei ali, levado por Wanderley Carbone, com um texto sobre a minha banda preferida da época: The Cult.
A vontade naquele tempo era de fazer uma imprensa bem escrita, bem lida, mais madura, temendo sempre a terrível imagem de imbecis que a surfistada arrastava com suas pranchas.
Exatamente o contrário do que se almeja hoje.
Tudo é feito sob encomenda para o ‘simpatizante’, como eles gostam de chamar: roupas, vídeos, campeonatos, campanhas publicitárias e, o que mais nos interessa, imprensa.
Confundem seriedade com tristeza.
Alegria, no caso, deve ser algo bem leve e de fácil digestão, porque pensar, todos sabem, dói…
A indústria de roupas de surfe, surfeuér, esqueceu dos senhores que tiveram a falta de sorte de passar dos 30, digamos que somos uns 35 ou 40 % do mercado atual. Nada mais é direcionado para essa corja de velhotes que insiste em continuar indo à praia disputar onda com a molecada voadora.
Imagino que a coroada deva ter algum dinheiro, pois saiu da barra da saia da mamãe faz tempo.
Por outro lado, segundo me confessa um lojista, os que ainda estão na barra da saia, nem precisam ir mais na surfechópi, madame manda Gilmar, ou Gérson, chofér, ir no centro comercial e limpar as estantes das novidades – o que Junior não gostar, vai pro filho da faxineira ou sobrinho da cozinheira.
Oportunismo.
Capa duma edição especial da mais vendida dedicada para as meninas: filho do Lipe, aquele que surfava de frente pros dois lados no Arpex e tinha a marca mais bacana de Ipanema no início dos anos 80, Energia, que patrocinava o fera braba Jeferson Cardoso, Felipe Dylon.
Na mesma hora que avistei a revista em destaque numa banca aqui da Gávea, pensei: Isso não seria igual a estampar uma foto da Sheyla Carvalho na capa da Fluir ? (Maryeva, ou Dora Vergueiro, pra ficar nas musas eleitas dessa tal imprensa especializada…).
Pois, se a resposta for, sim, seria; estamos perdidos. Atesta definitivamente que não fazem revistas para surfistas, mas para adolescentes deslumbrados com a nova onda, seja surfe, bola de gude ou porrinha.
Tentem estampar uma foto de ídolo ‘teen’ na capa duma Surfing Girl, prima da Surfing, acredito extinta, e vejam o circo das meninas pegar fogo.
Provável que Layne Beachley, Rochele Ballard e Lisa Andersen proibissem que a publicação veiculasse fotos suas depois duma bola for a dessas.
‘Vão vender revistas em outra praia!’ gritariam indignadas.
Aqui, nem cosquinhas fez…
Já se prepara mais uma nova publicação, rumores ventam do grupo Abril, para disputar essa fatia de mercado que anda melada por adoçantes artificiais.
Espera-se que tenha a mira no alvo certo: no coração do surfista.

6 comentários:

Anônimo disse...

La "Marreta" del Pato se volvió!
Boa Julin, knock down "en la prensa".
Saudades do Staff. Me senti uma celebridade quando recebi pelo correio de graça a primeira edição do Surf News (nascimento do Staff) graças a irmã de um amigo que estudava jornalismo com D'Orey e me botou no mailing list. Era moleque ainda tinha acabdao de começar a pegar onda.
Faz tempo...
Hoje, os marketeiros de plantão tem medo de errar o tiro e não abater o marreco. Tá todo mundo atirando nos mesmos patos. Essa geração da mais vendida só recebe legendas "super criativas" de fotos.
Ninguém tá afim de apresentar uma visão crítica ou dificultar a digestão do texto para essa garotada. O produto é bate caixa mesmo, mas quem faz acredita que tá prestando um serviço enorme a "cultura surfe".
Cuidado com a pontaria dos caras, eles podem errar o coração e acertar nossas "pelotas".
Abraço,
Bomba

Cainã disse...

Ele voltou ativa,hehe.

Não sou da antiga, tenho 19 anos e surfo desde os 13, mesmo assim sinto uma grande mudança no surf, desde o surf em si, quanto do que está ligado á ele. Hoje em dia o surf é uma moda(ainda mais agora, com a super poderosa emissora se esbaldando com o tal "tema"), me intristece muito a mídia lidar com o surf desta forma, algo que é mais que um esporte ou moda, que é totalmente significativo na minha vida e na de muitos outros que sente o verdadeiro sentimento da "coisa". O SURF MARKETING é o que rege o esporte nos dias de hoje, reflexo disso é crowd incontrolavél somado ao desrespeito dos atuais surfistas.

Ps:A Maryeva é muito boa, independente da mídia.

Anônimo disse...

pô, júlio, só vc mesmo com "tomates" pra cutucar essa cambada que escreve surf em inglês [o sonho deles é ser a surfer. nunca vão conseguir chegar perto nem da surfer que caiu tanto] e ainda posam de defensores do surfe brasileiro. mas como pedir textos de qualidade se esses caras, como alguns "poderosos" da mais vendida, acham que poesia é coisa de viado? tem mais surfe de coração em muito poema do fernando pessoa que em edições inteiras desses caras. mas pedir também que esses caras leiam é demais né...
ainda bem que tem a surf portugal e a surfer´s journal [mas acho difícil os caras lerem, se não lêem nem em português].
ainda bem que tem o pepê cezar, a quem peço com urgência um novo livro, talvez um site, ou que volte a escrever, por favor, em algum lugar, para eu poder ler surfe e outras coisas com poesia, amor, beleza, surfe como ele é.
abraço, zé augusto.
ps - desde hoje, entro humildemente na sua luta: surfe com e. imagina se o fabinho gouveia, em vez de rapaisssssssssssss, nos chamasse de "brother". reparou como nordestino é mais autêntico com nosso idioma e cultura?
ps2 - força tb para esses corajosos que fazem vídeos e colocam nome em português, como lombrô, cambito [olha o pepê de novo].

Anônimo disse...

julio, leia o jornal público, de hoje [aquele de portugal que me deu a dica], sábado. há ali mais beleza, estilo, emoção, humanidade e linguagem maravilhosa, na cobertura da morte de um mito português - o guitarrista carlos paredes - do que talvez eu jamais tivesse imaginado. estupenda homenagem. braço, zé augusto

Anônimo disse...

Belo texto, Júlio
Fui assistir Fluminense x Santos no Maraca semana passada,num sábado chuvoso e frio, quando a Suderj informou: "Encontra-se na tribuna de honra prestigiando o jogo o craque português Eusébio".Diante da notícia a torcida inteira presente no Maraca se levantou, virando-se para a tribuna, aplaudiu calorosamente a presença do maior jogador de futebol da história de Portugal.Eu estava nas especiais e percebi que o Eusébio agradecia de pé bastante emocionado.O fato chamou a atenção da imprensa.No intervalo me aproximei das triunas para falar com o Gontijo quando um jornalita da Rede Globo com o "micofone" na mão, se não me engano um tal de Cleyton Conservani,perguntou para outro jornalista:Quem foi esse cara? Ele fazia muitos gols?
É isso ai,Júlio,um abraço
R. Lobo
obs:Parbéns pela vitória no Lanho e um abraço p/ o Bomba também
E Pedro Muller campeão!!!!!!!

rafael disse...

Bote fé meu camarada. Muito bom. Volte a escrever sobre o surf no brasil.
Abraco
rafael @ surfcronic . com :)